Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A vida como comunhão e peregrinação

Quinta-feira, 28.02.13

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 22:38

A consciência abrangente do Papa Bento XVI

Quarta-feira, 13.02.13

 

A decisão do Papa Bento XVI deixou tudo perplexo. Mesmo os que dizem não se ter surpreendido e compreenderem a decisão, o seu olhar desmente as suas palavras. A cultura vigente do culto do poder e da personalidade não perspectiva o grande plano, a comunidade para além desta ou daquela liderança.

O Papa Bento XVI sempre revelou uma consciência abrangente, da dimensão do grande plano, da importância da cultura cristã e da comunidade. Entrou numa fase turbulenta da Igreja, de enorme decadência moral, de perda de contacto com os valores que estruturam uma comunidade cristã. A Europa parecia embevecida com a cultura do espectáculo, do frívolo, do imediato. As lideranças políticas e financeiras revelavam a sua estreita mentalidade,  a estratégia do oportunismo, ávidas de poder.

Parece perfeitamente óbvio que o Papa se tenha preocupado com esta crise moral e cultural, e por onde poderia começar? Precisamente pelas lideranças, as que têm o poder de influenciar as vidas de milhares de pessoas. São também as lideranças que têm a responsabilidade do exemplo ético, da escolha de uma organização mais equilibrada, da distribuição justa dos recursos.


Um dia celebrei e agradeci aqui ao Papa a sua vinda a Portugal, numa fase tão difícil e determinante da nossa vida colectiva.

Hoje celebro e desejo ao Papa uma vida tranquila e feliz, onde possa ainda iluminar o caminho de quem decide por tantos outros. E sentindo que será do contacto directo com o seu povo, da alegria partilhada, que o Papa sentirá mais falta. Recordo a sua alegria quando desceu em Portugal e imediatamente sentiu o acolhimento português, a essência desses laços muitos fortes e muito antigos. E tenho visto a sua alegria nas suas breves homilias à janela do palácio de S. Pedro.




Ao Santo Padre, com a minha gratidão



Todos os desertos são áridos e frios

mas este pareceu-lhe, além de tudo isso,

metálico e bélico


A barbárie nos olhos gulosos e vorazes

a ausência de vestígios de emoção

de sinais de vida humana


A palavra tem uma influência limitada

mesmo a avisada e sábia

recorrer à acção discreta, à tolerância

 

Oriente e ocidente encontram-se de novo

numa cultura antiga que os uniu e separou

para voltar a unir


Quis lembrar-lhes, acima de tudo, 

a sua humanidade e dignidade

a sua cultura comum

esses laços muito antigos 

que permanecem

mesmo nos desertos mais áridos e frios


Obrigada, Santo Padre!




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 10:42








comentários recentes



links

coisas à mão de semear

coisas prioritárias

coisas mesmo essenciais

outras coisas essenciais

coisas em viagem


subscrever feeds